O estudo, inteligência artificial para o diagnóstico de retinopatia diabética

Roma, 14 de junho (Adnkronos Health) – A retinopatia diabética é uma importante complicação do diabetes, que afeta 30% das pessoas com a doença e que, se não diagnosticada rapidamente, pode causar sérios danos à visão, incluindo cegueira. Felizmente, a inteligência artificial permite uma triagem rápida, identificando precocemente os pacientes que precisam de exames complementares pelo oftalmologista. A confirmação vem de dados de um estudo que demonstra a sensibilidade acurada de um algoritmo na detecção de casos leves e moderados, com especificidade relevante.

O estudo observacional, realizado nos primeiros 85 pacientes da população acompanhada nas clínicas de diabetes de Asl Torino 5, e recentemente publicado no ‘Diabetes & Obesity International Journal’, previa um procedimento de triagem através do uso sistemático de Dairet (Diabetes artificial inteligência para retinopatia), um algoritmo de inteligência artificial para a triagem de primeiro nível da retinopatia diabética, com o objetivo de avaliar sua eficácia na identificação de casos de complicação, comparando-o diretamente com o diagnóstico da clínica oftalmológica. O Diaret, sistema desenvolvido pela Retmarker, empresa portuguesa controlada pelo grupo italiano Meteda, conta já com uma vasta experiência internacional, com mais de 500 mil doentes examinados, refere uma nota.

O estudo, realizado pela equipe de diabetes Asl To5, que adotou esse método de triagem na prática ambulatorial, demonstrou – lemos – uma alta eficiência do algoritmo na detecção de casos leves e moderados de retinopatia. , com uma razão de sensibilidade, ou seja, a capacidade de detecção de casos, de 91,6% para retinopatia leve e 100% para retinopatia moderada. A especificidade do teste, ou seja, a capacidade de identificar corretamente os indivíduos saudáveis, também foi muito alta, com uma taxa de especificidade de 82,6%, portanto com baixo índice de falsos positivos.

“O algoritmo mostrou-se eficiente e útil no diagnóstico inicial da presença ou ausência de retinopatia e no reconhecimento de lesões retinianas básicas, limitando o número de pessoas a serem submetidas a um exame oftalmológico que normalmente, de acordo com as diretrizes, as pessoas com Diabetes devem pode ser realizado a cada 2 anos. Pode ser gerenciado por enfermeiros e promove um processo diagnóstico mais rápido, com menos sobrecarga para os especialistas e menor tempo de espera dos pacientes”, explica Carlo Giorda, diretor de diabetes territorial da ASL. Torino 5 e coordenadora da equipe que realizou o estudo.

“O Dairet tem uma alta sensibilidade, ou seja, é capaz de destacar bem até as formas mais leves de retinopatia, característica que nem sempre está presente em sistemas similares utilizados – acrescenta Alberto Piatti, chefe de oftalmologia territorial da Asl To5 e primeiro autor do a pesquisa – Isso é fundamental porque, se é verdade que o diagnóstico das formas avançadas exige então uma intervenção quase exclusiva do oftalmologista, a descoberta da retinopatia leve permite que o diabetologista aja imediatamente, ajustando a terapia do diabetes ou mudando o estilo de vida da pessoa, evitando que a complicação se agrave”. A perda total da visão “é o principal medo das pessoas com diabetes”, explica Piatti.

A triagem de retinopatia é um procedimento seguro e fácil de usar, com custo-efetividade considerável; A triagem de primeiro nível é, portanto, um procedimento simples e prático para ser utilizado em diabetologia por médicos ou enfermeiros, conforme especificado na bula. “Tais dados concretamente relevantes, como os obtidos com o nosso sistema Dairet – diz Marco Vespasiani, gerente geral da Meteda – podem orientar os médicos a considerar ativamente a introdução de uma prática simples e vantajosa para evitar ou limitar fortemente os perigos devido a uma complicação ocular muitas vezes órfão de avaliações precisas, levando em conta a complexidade do manejo de uma clínica diabética”. No entanto, é importante especificar que Dairet “dá apenas uma indicação da presença suspeita ou não de uma lesão retinopática e não constitui um medicamento relatório jurídico”.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.