Os restos de um dinossauro foram encontrados no jardim de uma casa: pode ser o maior espécime da Europa

Durante os trabalhos de construção de uma casa em Pombal, Portugal, surgiram os ossos de um dinossauro que viveu no Jurássico Superior. Seria o maior espécime já descoberto no Velho Continente

Sensacional descoberta no jardim privado de uma casa portuguesa: durante as obras foi desenterrado o fóssil de um gigantesco dinossauro, um longo saurópode 25 metros e uma altura de 12 metros. Segundo os paleontólogos, seria omaior dinossauro já encontrado na Europa. A emocionante descoberta aconteceu em Pombal, localidade situada no distrito de Leiria, na região histórica da Beira Litorale.

Os primeiros restos mortais foram descobertos em 2017, quando o proprietário notou fragmentos de ossos fossilizados em seu chão, então entrou em contato com pesquisadores para estudar os fósseis. Mas apenas alguns dias atrás, a equipe de paleontólogos espanhóis e portugueses desenterrou os outros restos gigantescos.

“Não é comum encontrar todas as costelas de um animal assim, muito menos nesta posição, ou seja, preservando sua posição anatômica original. saurópodes do Jurássico Superior português”, explica Elisabete Malafaia, investigadora da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

As características do enorme dinossauro recém descoberto

Grande parte do esqueleto axial do animal emergiu do sítio português que parece pertencer à família dos saurópodes braquiossaurídeos. É sobre dinossauros herbívoros, viveu em nosso planeta entre 160 e 100 milhões de anos atrás. Sua particularidade foi pescoço extremamente longo, que era usado para alcançar as árvores mais altas para alimentação, dentes grossos em forma de colher e patas dianteiras mais longas que as patas traseiras. Essas criaturas são conhecidas por serem alguns dos maiores animais que já apareceram na Terra.

“Pesquisas na localidade paleontológica de Monte Agudo confirmam que a região pombalina possui um importante registo fóssil de vertebrados do Jurássico Superior, o que nas últimas décadas levou à descoberta de abundante material muito importante para o conhecimento da fauna continental. da Península Ibérica há cerca de 145 milhões de anos”, acrescenta Elisabete Malafaia.

Os restos do animal encontrado foram protegidos e serão estudados em profundidade pela equipe de paleontólogos e depois transferidos para um museu, onde poderão ser admirados por todos.

Siga-nos no Telegrama | Instagram | Facebook | TIC Tac | YouTube

Fonte: Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Recomendamos também:

Frideswide Uggerii

"Extremo nerd do Twitter. Especialista freelancer em cultura pop. Fã de zumbis. Amante de comida. Fanático por música certificado. Jogador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *