Política trabalhista e tributação: a posição do Sindicato Popular.

Este é um documento assinado por Aldo VicenteCandidato da União Popular à uninominal Câmara de Mântua, Valentina MozziCandidato da União Popular para a Câmara Unida da Câmara de Cremona, Pierluigi LuisiCandidato da União Popular ao Senado uninominal de Mântua/Cremona, Catarina Di Francescocandidato ao Senado do Colégio Plurinominal da União Popular e Luana Grossi, chefe da câmara do colégio multi-membro da União Popular, o enviado à redação. Essa é a posição dos candidatos trabalhistas e tributários. Dois temas quentes.

É claro para todos que as desigualdades em nosso país aumentaram consideravelmente nas últimas décadas: cada vez menos aqueles que acumulam grandes quantidades de capital e cada vez mais aqueles que, apesar de seu empenho e trabalho em tempo integral, lutam para sobreviver.

Acreditamos que esta tendência deve ser revertida, acreditamos que deve haver uma forte redistribuição de riqueza em favor da classe trabalhadora em plena aplicação com o artigo 53 da Constituição que afirma que “todos são obrigados a contribuir para as despesas públicas por causa de sua capacidade de pagamento. O regime fiscal assenta em critérios de progressão.” A taxa máxima do IRPEF, que atualmente é de 43% para os rendimentos superiores a 50.000 euros, deverá ser aumentada para os grandes latifúndios e os rendimentos financeiros, embora acima deste limite e revista em baixa para os outros rendimentos.

Uma das primeiras ações para tornar este país mais justo é, em nossa opinião, a abolição do Jobs Act e todas essas leis que favoreceram a precariedade, para voltar a fazer CDIs novamente contratos padrão. ; o trabalho deve ser digno, o trabalho precário significa existência precária e para as gerações mais jovens é impossível construir um futuro.

É também necessário, sempre com vista a colocar a dignidade do trabalho no centro, legislar a favor de um salário mínimo de pelo menos 10 euros por hora. Aqueles que trabalham devem ser pagos de forma justa, não explorados. Hoje, os dados da OSCE revelam que a Itália é o único país europeu em que o salário médio anual realmente diminuiu 2,9% desde 1990 e que, portanto, deve-se questionar o aumento geral de todos os salários médios/baixos.

A segurança no trabalho é outra questão que nos preocupa: este país vê morrer 1.000 trabalhadores todos os anos no exercício das suas funções, pelo que propomos o reforço das inspeções do trabalho para fazer cumprir as leis de segurança e os direitos dos trabalhadores, porque não existem mais brancos mortos.

Do lado da aposentadoria, achamos essencial abolir a lei Fornero para atingir a idade de aposentadoria aos sessenta anos ou 35 anos de contribuições, limitando as altas pensões que pesam no sistema previdenciário global.

Ao nível da política fiscal, é nosso dever reequilibrar as taxas procurando favorecer os rendimentos médios/baixos. Além disso, para conter a inflação, é essencial colocar um teto de longo prazo no preço do gás para acalmar as contas (no modelo de Espanha e Portugal) e tributar os lucros excedentes das empresas de energia (passando de 10% do Governo Draghi 90%) para ajudar famílias e empresas“.

redazione@oglioponews.it

© Todos os direitos reservados

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.