A HISTÓRIA DE UM ATIVISTA CATÓLICO

O primeiro volume da história da Alleanza Cattolica, escrito por dois ativistas Oscar Sanguinetti e Pierlugi Zoccatelli, foi lançado há algumas semanas. O texto, “Vamos reconstruir catedrais”. Para uma história das origens da Alleanza Cattolica, publicada pela D’Ettoris Editori, de Crotone em dezembro de 2022, (custo 25 euros) examina os primeiros quatorze anos da associação, nascida por volta de 1960 concebida e fundada por Jean Cantoni que reuniu um grande grupo de jovens genericamente de direita.

No prefácio, Invernizzi os descreve: “indivíduos desorientados, pessoas das mais diversas origens ideológicas e políticas, neofascistas, monarquistas, tradicionalistas, ‘neopagãos’, ‘cristãos dominicais’ e até alguns marxistas”. Serão todos esses tipos humanos que, com o tempo, construirão uma família cultural, precisamente a Alleanza Cattolica, que já existe e funciona há meio século, tentando justamente “para construir mais catedrais”.

O texto consiste em um Premissacapítulos quatro e dois apêndices finais. Um livro completo de 390 páginas, escrito com rigor científico e com a paixão de quem contribuiu para concretizar esta experiência de vida cristã na história da Itália. A sua leitura ajuda a compreender a situação religiosa, cultural e política da segunda metade do século passado. Foi precisamente nestes anos que nasceu a Alleanza Cattolica”,preencher uma lacunapara responder à crise do cristianismo, atacado por um secularismo cada vez mais difundido e bem-sucedido que separa a fé da vida, realizando aquela separação entre o Evangelho e a cultura que, como escreveu São Paulo VI em 1975, foi o drama maior deste tempo ( Evangelii nuntiandi). (Marco Invernizzi, Ainda construiremos catedrais, 9.1.23, allergenicity.cattolica.org)

Num mundo que explodia durante a revolução de 1968, Cantoni e Agostino Sanfratello tentaram construir ambientes, oásis de cristianismo. Eles reuniram pequenos grupos, em sua maioria estudantes da Universidade Católica de Milão, com a intenção de se opor ao espírito do mundo, a Revolução Cultural em curso. Uma revolução resultante de um longo processo de destruição da sociedade ocidental desde a Reforma Protestante, o Renascimento, a Revolução Francesa e depois a Comunista. Um processo que desfez o cristianismo construído penosamente ao longo dos séculos da evangelização inicial.

Esses jovens da Alleanza Cattolica propuseram nada menos que uma conversão da sociedade, para conseguir isso você tinha que mudar a si mesmo. Outras bandas daqueles anos também se ofereceram para mudar, mas quase sempre se esqueciam de começar a mudar. Uma proposta que fascinou e “tem entusiasmado muitos jovens, cansados ​​das meias propostas dos partidos, do silêncio dos católicos da época, intimidados pela arrogância dos novos revolucionários, quase todos militantes dos movimentos extraparlamentares de esquerda”. Naquela época, como o Servo de Deus Mons. Luigi Giussanimetade dos membros juventude estudantil (o movimento que antecipou Comunhão e Libertação) deslocou-se para grupos extraparlamentares de esquerda. Até a jovem direita, dividida e incapaz de entender Sessenta e oito, foi tomada pelos acontecimentos. Nesse caos, Giovanni Cantoni propôs a conversão da sociedade desfigurada por um processo revolucionário secular. Uma sociedade que poderia ter renascido de uma revisão radical de suas raízes cristãs, entretanto abandonadas, que moldaram a civilização ocidental.

“O primeiro livro lido – escreve Invernizzi no prefácio – nas reuniões de formação espiritual da Alleanza Cattolica, tem como objetivo a conversão: recordar que só colocando Deus em primeiro lugar na sua própria vida, para fazer dela a única meta autêntica, a única meta verdadeira da sua existência, teria sido possível uma reconstrução cristã da sociedade..

Certamente, os militantes da Alleanza Cattolica estavam e estão cientes de que a reconstrução de uma civilização inspirada no Evangelho requer um longo processo e provavelmente muitos deles não verão os resultados. Nosso tempo é o de semeadura e não de coleção. No entanto, o fundador da Alleanza Cattolica sempre nos convidou a nos libertarmos de tudo “ansiedade de resultado”.

A Alleanza Cattolica exerceu, assim, nas últimas décadas, um apostolado principalmente cultural, formando homens sobretudo através do combate espiritual, aprendido também graças a exercícios espirituais de acordo com o método de Santo Inácio de Loyola e com a recitação diária do santo rosário. No entanto, a principal finalidade da associação era e ainda é a santificação dos seus membros através do estudo e divulgação do Magistério da Igreja, em particular a sua doutrina socialpara construir uma sociedade à escala humana e segundo o desígnio de Deus, como nos ensinou São João Paulo II. A associação recorre constantemente à mediação de Maria Santíssima, mãe de Cristo e de Deus, coloca-se na escola da Igreja e do seu Magistério de todos os tempos, concedendo um lugar especial à doutrina do grande apóstolo missionário bretão São Luís Maria Grignion de Montfort. Mais especificamente, ele dá particular atenção ao ciclo de aparições marianas que ocorreram em Fátima em Portugal.

Como explica o livro de Sanguinetti e Zoccatelli, Alleanza Cattolica é explicitamente inspirada por esta escola contra-revolucionária nascido durante a Revolução Francesa de 1789, refere-se em particular ao pensamento de José de Maistre, Juan Donoso Cortés, Edmond Burke e outros, e tenta aplicar a doutrina da ação à situação italiana, refletindo sobre a história de nosso país através das considerações de Giovanni Cantoni e tantos outros que tentam explicar seus principais acontecimentos. Em particular, a associação está atenta ao estudo dos últimos duzentos anos da história da nossa península, a partir das revoltas populares contra os exércitos napoleónicos, o chamado Risorgimento e a formação da unidade do país. Ao nascente movimento católico, às duas guerras mundiais, ao Concílio Vaticano II, leia-se com atenção e veja-se como uma continuidade com os outros concílios e não como ruptura ou certidão de nascimento de uma “nova Igreja”.

“A Alleanza Cattolica atraiu milhares de homens e mulheres como outras associações, mas a qualidade de seus membros testemunhou e testemunhou quão grande o ideal do cristianismo, mutatis mutandis, foi, em seus primórdios e ainda hoje, capaz de fascinar jovens e velhos ». Na introdução, os autores especificam que Alleanza Cattolica “não era – e não é – uma realidade de massas, um ponto de encontro sui generis, um ‘movimento’, mas um escolauma seminárioum lugar e umagência de treinamento – De auto-estudo contínuo -, que transmite uma sã cultura católica, “forte” e “integral”, desprovida de complexos e inibições face aos paradigmas modernos. Uma formação não genérica mas destinada a potenciais formadores, uma orientarpara elite capaz de multiplicar os efeitos da “catequese” recebidaexpressa pelo slogan ‘Treinar os treinadores’. Talvez a Alleanza Cattolica possa ser considerada um observatório, um lugar de análise cuidadosa da realidade social e política e sua evolução ou involução. Ao longo do tempo, Alleanza Cattolica se propôs em nossa sociedade em um compromisso sócio-cultural, político e religioso de 360 ​​graus. Num contínuo tapume com coragem no “Batalha de Ideias”, nesta defesa do grande patrimônio de valores que deriva da Revelação e do direito natural cristão. Prova disso é a presença da associação na linha da frente na luta pela defesa da vida dos inocentes e da família. Cantoni sempre teve como referência a autoridade do Romano Pontífice e seu magistério, insistiu “Combata a revolução de hoje, não a de ontem”.

Os quatro capítulos do livro são o resultado da consulta a uma multiplicidade de documentos e testemunhos orais de muitas pessoas, protagonistas que se ocuparam desta história, incluindo o escritor. Na verdade, considero-me honrado em ser mencionado no “mesa livre”. Com certeza foi um trabalho enorme pelos dados coletados e pelas inúmeras histórias trazidas ao conhecimento do leitor e depois pela citação de centenas de pessoas com suas histórias pessoais, suas ideias. Um texto que fala de movimentos, grupos políticos, manifestações, livros, revistas, jornais, conferências, reuniões, retiros espirituais, viagens a locais de eventos. Uma história meticulosa e detalhada que provavelmente tinha algumas lacunas, mas era previsível. Certo “Vamos reconstruir catedrais”, realmente conta um pedaço da história do nosso país, sem querer ser muito retórico, o texto pode ser útil para quem quiser escrever a história desses anos no futuro. O texto vem acompanhado de discreta documentação fotográfica, pena que também eu poderia ter oferecido uma foto que guardo com tanto ciúme que esqueci de oferecê-la aos autores do livro.

DOMINGO DE BONVEGNA

dbonvegna1@gmail.com

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *