Dia de luta contra a desertificação, 1 bilhão de pessoas afetadas – Clima

Anbi, 1 bilhão de pessoas afetadas. Existem cerca de 200 países e 1 bilhão de pessoas afetadas pelo processo de desertificação no mundo. Entre os estados mais afetados estão China, Índia, Paquistão e vários países da África, América Latina, Oriente Médio, mas também países da Europa Mediterrânea, como Portugal, Espanha, Grécia, Chipre, Malta e Itália. O anúncio foi feito pela Associação Nacional de Consórcios para a Gestão e Proteção do Território e das Águas de Irrigação (ANBI) por ocasião do Dia Mundial contra a Desertificação e a Seca.

A Anbi também publicou uma análise dos recursos hídricos na Itália. Cerca de 70% da superfície da Sicília apresenta um grau de vulnerabilidade ambiental médio-alto. Seguem Molise (58%), Puglia (57%), Basilicata (55%). Seis regiões (Sardenha, Marche, Emilia-Romagna, Umbria, Abruzzo e Campania) têm uma percentagem do território em risco de desertificação, entre 30% e 50%, enquanto outras 7 (Calábria, Toscana, Friuli-Venezia Giulia, Lazio, Lombardia, Veneto e Piemonte) estão entre 10% e 25%.

Em Espanha, a desertificação atinge 72% do território, particularmente no sul do país, onde se pratica uma agricultura extremamente intensiva, com uso extensivo de águas subterrâneas. Na Grécia, estima-se que até o final do século, pelo menos 70% do território ficará árido. A ONU estima que uma área de 1 a 6 bilhões de hectares em todo o mundo já esteja comprometida e que em um futuro próximo cerca de 200 milhões de pessoas serão expulsas de suas terras.

Entre as principais causas da desertificação está a extremização dos fenômenos climáticos e consequentemente a aridez causada pelos fenômenos de seca prolongada, mas também por precipitações curtas e violentas, que não restauram, mas corroem a primeira camada de solo mais fértil em solos ressecados. O abandono de áreas cultivadas também é responsável pela degradação do solo.

Legambiente, Itália 4 secas em 25 anos. A Itália foi atingida nos últimos 25 anos por 4 principais eventos relacionados à seca (respectivamente em 1997, 2002, 2012, 2017). Esses eventos causaram custos de mais de 5 bilhões de dólares (5.297.496.000), dos quais 48% foram devido à crise hídrica de 2017. do centro Emdat (The International Disaster Database), que lida com eventos extremos. De acordo com os últimos estudos da Comissão Europeia, continua Legambiente, o número de pessoas na Europa que vivem em áreas consideradas sob estresse hídrico por pelo menos um mês por ano pode aumentar dos atuais 52 milhões (11% da população europeia). 65 milhões num cenário de aquecimento de 3°C, o que equivale a 15% da população da UE. A maioria das pessoas expostas ao estresse hídrico vive em países do sul da Europa, incluindo Espanha (22 milhões; 50% da população nacional), Itália (15 milhões; 26%), Grécia (5,4 milhões; 49%) e Portugal (3,9 milhões ; 41%). Todas as populações de Chipre e Malta são consideradas com escassez de água. No Mediterrâneo, o período de estresse hídrico pode ultrapassar 5 meses e, durante o verão, a exploração da água pode se aproximar de 100%. “A urgência da seca e a escassez de água – afirma Stefani Ciafani, presidente nacional da Legambiente – são dois problemas com os quais teremos de conviver. a seca implica danos diretos decorrentes da perda de disponibilidade de água para usos civis, agrícolas e industriais, mas também a perda de biodiversidade, a queda nos rendimentos das culturas agrícolas e pecuárias e a perda do equilíbrio dos ecossistemas naturais”.

WWF, chega de seca para 700 milhões. Cerca de 4 bilhões de pessoas (dos 7,8 bilhões de seres humanos na Terra) já experimentam severa escassez de água por pelo menos um mês por ano. Mais e mais pessoas (cerca de 700 milhões) estão passando por períodos de seca mais longos do que em 1950. A população mundial exposta a secas extremas e excepcionais aumentará de 3% para 8% no século XXI.

O WWF Itália lembra disso em um comunicado por ocasião do Dia Mundial de Combate à Desertificação, realizado em 17 de junho.

Nas últimas duas décadas, a taxa global de perda de massa das geleiras ultrapassou 0,5 metro de equivalente de água por ano. Globalmente, entre 1983 e 2009, aproximadamente três quartos da área cultivada do mundo (454 milhões de hectares) sofreram perdas de rendimento devido à seca, com perdas de produção acumuladas de US$ 166 bilhões. A geração hidrelétrica global experimenta uma redução de 4-5% na taxa de utilização da usina durante os anos de seca em comparação com os valores médios desde a década de 1980.

De acordo com a Organização Meteorológica Mundial (OMM), a seca afetou muitas partes do mundo nos últimos sete anos (o mais quente já registrado), incluindo o Chifre da África, Canadá, oeste dos Estados Unidos, Irã, Afeganistão, Paquistão e Turquia. . Na América do Sul, a seca causou enormes perdas agrícolas e interrompeu a produção de energia e o transporte fluvial.

A primeira coisa a fazer pelo WWF Itália é trabalhar para limitar o aquecimento global a 1,5°C, conforme exigido pelo Acordo de Paris, reduzindo as emissões de gases de efeito estufa, abandonando os combustíveis fósseis e focando em fontes renováveis, economia, eficiência energética e descarbonização em todos setores. Portanto, adote Soluções Baseadas na Natureza, revise todas as concessões de água (agrícola, industrial, civil), reduzindo-as de acordo com a disponibilidade real, reduza o desperdício.

ONU, até 2050, metade da Terra pode ficar árida. No dia 17 de junho é comemorado em todo o mundo o “Dia Mundial das Nações Unidas contra a Desertificação e a Seca”. O Dia é comemorado anualmente por todos os países aderentes à Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação (UNCCD – Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação), no dia da assinatura da Convenção. O tema deste ano é “Recuperando-se da seca juntos”.

O último relatório da UNCCD “Drought in Number”, publicado em 11 de maio, durante a 15ª sessão da Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação (UNCCD COP15), pede um compromisso global abrangente, que tem prioridade absoluta à preparação de ações de combate à seca em todas as regiões do mundo.

De acordo com o relatório, a seca aumentou globalmente desde 2000, afetando cerca de 55 milhões de pessoas a cada ano. Em 2050, as terras secas poderão cobrir entre 50 e 60 por cento de toda a terra, com cerca de três quartos da população mundial vivendo nessas áreas sob condições de grave escassez de água. A Itália também é afetada por esse fenômeno.

Antes do Dia da Desertificação e Seca 2022, a UNCCD lançou “Droughtland”, uma campanha de conscientização pública apresentando uma nação fictícia atingida pela seca para mostrar soluções e mobilizar ações globais para aumentar a resiliência à seca. O site é https://doughtland.com/.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.