Itália está de volta à mira da Comissão Europeia

A Itália é um dos 17 países que estão novamente sob vigilância do Comissão Europeia por desequilíbrios macroeconómicos excessivos. No relatório sobre o mecanismo de alerta (Relatório do mecanismo de alerta) nosso país está entre aqueles que terão que passar por um exame minucioso (análises aprofundadas) para avaliar a evolução da situação.

A Itália está entre os 17 países que retornam à vigilância da Comissão Europeia sobre desequilíbrios macroeconômicos excessivos

Além da Itália, os países já analisados ​​pela Comissão Europeia também incluem França, Alemanha, Grécia, Holanda, Portugal e Espanha. A Chéquia, os três países bálticos, a Hungria, o Luxemburgo e a Eslováquia são agora adicionados.

A Comissão Europeia apela à prudência: “Com base nas recomendações orçamentais para 2023, os Estados-Membros com baixo e médio endividamento devem assegurar que o crescimento da despesa corrente primária financiada internamente esteja em linha com uma política geral neutra”. Pacote do semestre de outono publicado hoje analisando os projetos de planos orçamentais para 2023 que têm em conta que a cláusula geral de derrogação do Pacto de Estabilidade e Crescimento se manterá em vigor no próximo ano.

Bruxelas recomenda que Estados altamente endividados adotem política fiscal prudente

“Os Estados-Membros altamente endividados foram recomendados a assegurar uma política orçamental prudente, em particular limitando o crescimento das despesas correntes primárias financiadas internamente abaixo do crescimento do produto potencial a médio prazo”, reiterou a Comissão.

“Na Itália, os temores relacionados à alta relação dívida pública/PIB permanecem inalterados”

“Em Itália, mantêm-se inalterados os receios relacionados com a elevada relação dívida pública/PIB”, continua a Comissão Europeia. A dívida “mantém-se elevada” e embora tenha caído para 150,3% do PIB em 2021 “prevê-se que se mantenha bem acima do nível de 2019”. O défice, reduzido para 7,2% em 2012, “deve continuar a diminuir. Mas os diferenciais de rendimento divergiram “significativamente” da média da zona euro, aumentando os custos de financiamento: “Os riscos para a sustentabilidade orçamental são elevados a médio prazo”, sublinha a Comissão.

“Não adotamos uma opinião sobre o documento de planejamento orçamentário da Itália porque foi apresentado pelo governo cessante com políticas inalteradas. Esperamos receber em breve o plano completo do novo governo e daremos o nosso parecer nas próximas semanas”, disse o vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis falando em manobra aprovado ontem à noite pelo governo italiano.

Leia também: A manobra de Meloni é um tapa na cara dos pobres. Chovem críticas da oposição. Conte: “Realmente miserável, abre uma guerra no passado”

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *