“Pasolini penetra a realidade com sua vitalidade desesperada”

PESARO – A revista Pesaro que lembra Pier Paolo Pasolini abre com “É a hora em que espero a graça”, num diálogo com as artes, a poesia, a pintura, a fotografia, a música, o cinema, o teatro e com a sociedade e a política de seu e nosso tempo. O espetáculo, com dramaturgia e edição de texto de Fabio Condemi e Gabriele Portuguese, que é o protagonista dirigido pelo próprio Condemi, está marcado para amanhã, segunda-feira, 2 de maio, às 21h, na Igreja Annunziata.

O título da mostra é retirado de um verso do poema de Pasolini, “As nuvens afundam na lucidez”, inserido na coletânea “Diário Du” (1945-1947). Uma biografia onírica e poética de Pasolini através de seus cenários. “Em 2019, o Teatro Verdi em Pordenone e o Teatro di Roma me pediram para pensar em uma encenação como uma homenagem a Pasolini”, explica Condemi, “mesmo que eu não goste particularmente da palavra ‘homenagem’. Envolvi o português Gabriele e começamos a “estudar”, olhando todas as obras do Pasolini que gostávamos e lendo coisas novas. Foi um período muito intenso de grande alegria, porque estávamos em Roma e fizemos longas caminhadas nas regiões que lhe eram caras, sua escrita iluminou a visão da vida que vivíamos naquele momento”.

Você sente falta do olhar dele? “Não sei se sentimos falta, mas lendo Pasolini temos a possibilidade de penetrar na realidade através dessa lente. Ele era capaz de penetrar a realidade com sua vitalidade desesperada, ele sempre tocava o lugar escandaloso do ser. A palavra escândalo sempre aparece em seus escritos: escândalo como uma pedra de tropeço, como uma espada que corta e a partir desse momento não vemos mais as coisas da mesma maneira. Era um olhar “febril”, implacável e é a modalidade que mais nos interessou”.

A capacidade de olhar para as coisas hoje está se atrofiando… “Talvez o olhar do poeta tenha faltado – diz Condemi – mesmo em seu tempo. Olhar não é o ato óbvio em que acreditamos, daí a capacidade de Pasolini de olhar para o papel, de poder captar tanto a descrição do momento quanto do rosto, do movimento da câmera, a capacidade de captar os sinais de uma mudança antropológica na cidade do consumo foi única. Penso quando ele fala sobre a cidade de Sabaudia que tinha arquitetura fascista, mas não havia nada de fascista em Sabaudia. A sociedade de consumo fez o que o fascismo realmente não conseguiu fazer”.

Fabio Condemi saiu de Pesaro para fazer teatro… “No final, tornou-se meu trabalho, na realidade ainda acho que estou fora do lugar, mas também é minha maneira de abordar o teatro. Sempre escolho textos que desafiam o conceito de representação. Em Pesaro eu era músico, depois comecei a fazer leituras de palco com Lucia Ferrati e assim, quando cheguei em Roma, tentei na Academia Silvio D’Amico. Minhas amizades em Pesaro me fizeram descobrir muitas coisas, e carrego dentro de mim a melancolia da praia e do mar no inverno”.


© DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.