Pastore: “Nunca houve sentimento com Di Francesco. Fonseca interrompeu minha venda, para ele eu era um dos mais fortes”

AS NOTÍCIAS DA ROMA -Javier pastor falou com Gazzetta.it. Ex-jogador de Palermo, Paris Saint Germain e Roma, entre outros, está de volta à aventura de Giallorossi. Veja abaixo um trecho das declarações do argentino:

Em Roma, porém, sua aventura não é inesquecível. Por quê?
“Por muitas razões. Em primeiro lugar, com Di Francesco, nunca houve sentimento. Cheguei a Roma para fazer a diferença, depois de ter desistido de um mandato de cinco anos no PSG, onde tive antes de mim Di Maria, Neymar, Mbappé, Cavani… O clube queria muito a mim, não o treinador. Ele tentou me colocar como meio-campista, depois me deixou sair e começou a falar coisas erradas sobre mim. Com o Fonseca, no No entanto, havia uma boa relação. Infelizmente , porém, depois que ele chegou, tive que lidar com problemas no quadril. Em dezembro me machuquei, durante seis meses trabalhei com dor e tomei dores. anti-inflamatórios. Eu chegava em casa e passava 4-5 horas no sofá, Eu não podia nem brincar com meus filhos. No verão, decidi fazer a cirurgia, não era minha vida”.

Ele poderia ter deixado a capital primeiro?
“Sim, mas me pediram para ficar. Após o primeiro ano com Di Francesco, a empresa queria me vender. Fonseca parou tudo para me avaliar na aposentadoria e finalmente decidiu me parar. Ele me disse que achava que eu era um dos mais fortes do time, que ia fazer a diferença e voltar ao topo. Eu estava entusiasmado, mas em dezembro me machuquei e não consegui dar a ele o que eu esperava. No verão de 2020 decidi fazer uma cirurgia para voltar à forma, seis meses depois estava disponível, mas a empresa optou por me cortar. E então no ano passado eles nunca me deram a oportunidade de mostrar que eu estava bem”.

Seus ex-companheiros de equipe venceram a Liga da Conferência este ano. Você continuou a segui-los mesmo após a sua transferência?
“Claro. Estou muito feliz com o que eles fizeram: na capital tenho muitos amigos, romanos e Roma, que mereceram vencer. A Roma é um grande time, eles têm fãs muito calorosos. E ao contrário do que o que podem parecer alguns comentários nas redes sociais, sempre me senti valorizado. Nas ruas, nas lojas, sempre recebi apoio das pessoas que conheci”.

Fonte: Gazzetta.it

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *