Portoghesi e o segredo dos anos 90 ainda em ação – Culture & Spectacles

(ANSA) – ROMA, 28 DE OUTUBRO – O sorriso de uma muito jovem Monica Vitti, olhando da varanda da Casa Papanice, em uma foto dos anos 1970. Para Paolo Portoghesi, uma vida sempre cheia de tarefas, ideias, aspirações, projetos, os anos 90 também tiveram um sabor de ternura. O da grande atriz com quem ela quase compartilhou seu aniversário. “Os dois de 1931, 2 de novembro I, 3 de novembro”, sorri o arquiteto que Domingo 31 de outubro será contado no Rai Storia, protagonista de “Domenica Con”, transmitido das 14h à meia-noite.
Histórias de arquitetura que, muitas vezes, cruzaram arte, teatro, cinema, como foi o caso desta casa romana, construída em meados da década de 1960, depois se tornou cenário de muitos títulos da comédia italiana. Scola o escolheu para seu Drama de Ciúmes, o protagonista de Vitti. A imagem dela na varanda, que se tornou popular nos últimos dias, foi tirada durante as filmagens pelo empresário para quem foi projetada. “Conheci a Mônica há muitos anos e é uma lembrança muito boa”, diz Portoghesi do majestoso jardim de sua casa em Calcata, “uma pessoa muito especial, tão elegante, tão educada”.

O arquiteto fala ao telefone em entrevista à ANSA e às vezes se distrai, percebe-se uma atividade borbulhante ao seu redor. “Minha esposa Giovanna queria organizar uma exposição dos meus trabalhos aqui na vila”, explica, “e não é fácil porque o espaço é limitado”.
O tempo está se esgotando, a semana de comemorações já está repleta de eventos, com destaque no dia 3 de novembro, com a exibição no Maxxi e depois em vários institutos culturais do mundo de Dramma della Gelosia, para um evento, organizado pelo HALP (Humanitarian Programas Ajudam a Vida). No dia 5 de novembro, outro encontro, desta vez para uma missa cantada na igreja de San Carlo alle quattro fontane, jóia do amado Borromini. No dia 11 de novembro, a Faculdade de Arquitetura de La Sapienza o celebrará com uma manhã em sua homenagem, no dia 13 a festa se deslocará a Calcata para a inauguração da exposição. Um redemoinho que cansaria um trinta e poucos anos, mas ele não se zanga.
Ele evoca o esforço de escolher as obras da exposição (“Quem quer, nunca está satisfeito com o que faz”) e enquanto fala você entende que o segredo desses noventa anos vestidos com absoluta leveza talvez esteja justamente no desejo de trabalho e estudo que ele nunca desistiu por um único momento.
“Estamos avançando e mudando – diz – o importante é manter a consistência”. A última obra realizada data de 2019, uma igreja, ou melhor, a co-catedral de Lamezia Terme, obra que parece ser a soma de todas as suas reflexões sobre o sagrado, com as esbeltas torres sineiras de aço corten que mencionam a Sagrada Família de Gaudí e a fachada que quase parece abraçar os fiéis convidando-os a entrar. “Tentei traduzir as ideias do Papa Ratzinger sobre o Concílio em formas arquitetônicas, para colocar em prática os dogmas da nova liturgia”, explica.


De facto, a população local adorou de imediato, tanto que o projecto deverá agora ser alargado com uma requalificação da praça em frente: “o desenho está feito, esperamos que o possam levar a cabo”, sublinha, recordando a município acabou de deixar o comissário.

Em uma vida profissional de quase 70 anos, houve outras igrejas, em Terni, Vicenza, Calcata, Castellaneta, depois as mesquitas, desde a de Roma em 95, que marcou uma época, até a mais recente em Estrasburgo. , inaugurado em 2012. Dedicou muito tempo ao ensino – na Sapienza depois no Politécnico de Milão, onde foi reitor de 1967 a 1979 – e aos estudos, escritos que fizeram história sobre o barroco e os Borromini adorados ( é de 2019 a revisão de sua monumental monografia de 1967). Mas em seu currículo profissional, há de tudo, de casas a jardins, de aeroportos a centros de convenções, da Breath Tower em Xangai à Corte Real do Rei Hussein da Jordânia, da Ópera Catanzaro ao Cemitério Cesena. . Foi presidente da Accademia di San Luca, é acadêmico do Lincei, presidente da Bienal de Veneza de 1984 a 1993. E hoje outra das suas memórias está ligada à Bienal de Veneza, a do trabalho partilhado com Aldo Rossi em 1980 por ocasião da primeira Exposição de Arquitectura, com a Strada Novissima e com a maravilhosa experiência do Il teatro del mondo (“Io as diretor da exposição no papel inédito de cliente”). Era a era do pós-moderno, do qual Portoghesi na Itália foi o principal representante, com a ideia de estabelecer uma nova relação criativa com a história e tradições de diferentes Também houve críticas nas últimas décadas. E acontece que os anos 90 são também o momento de satisfação: “Porque o que realmente me agrada – confidencia – é ver que houve uma reavaliação: finalmente hoje compreenderam que o pós-moderno era um movimento de libertação da escravidão. Para mim a sensação de maior compreensão. E porque não, por respeito ao meu trabalho” (MANIPULAR).

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.