Agnelli voa para o futuro, projeto Superlega: o contexto

TORINO- André Cordeiros nunca deixará de amar a Juventus e ainda se permitirá os gestos de um verdadeiro amante, de quem vai ao estádio quando é preciso paixão, não um capricho. Ele também não vai parar de trabalhar na reforma que o futebol europeu precisa desesperadamente, para não afundar na irrelevância uma temporada após a outra. Ontem ele deixou a presidência da Juventus e sua posição nos conselhos da Exor e da Stellantis. Ele agora é um homem livre de todas as amarras, que pode escolher seu futuro e se defender com mais agilidade nas batalhas legais. Isso é o que ele queria, foi o que ele comunicou a John Elkann: sem briga de família e sem pressão do primo. Na verdade é Ajay bangapresidente da Exor, que Carlos tavares, CEO da Stellantis, havia informado a ele que uma possível ação judicial não teria criado nenhum constrangimento particular, tanto por conhecer a situação quanto por não considerá-la particularmente grave. Andrea preferiu recuar, para não pensar. Por outro lado, não abandona a família, pois continua sendo o terceiro acionista da holding Giovanni Agnelli Bv que incorpora todo o império, deixando apenas seus compromissos oficiais. Pelo menos por agora.

Veja a galeria

Juventus, as FOTOS da assembléia geral: de Agnelli e Nedved a Ferrero e Scanavino

Agnelli planejará seu futuro nos próximos meses

Nos próximos meses, ele estará, portanto, planejando seu futuro, que certamente incluirá a holding de investimentos pessoais Lamse (sigla para La Mandria e Sestriere). Mas não é tudo: Andrea vai certamente continuar a trabalhar para o futebol europeu, talvez no mesmo A22, clube que ambiciona construir uma nova competição (Superlega ou seja lá qual for o seu nome), uma alternativa às da UEFA ou, quem sabe perseguir outro tipo de caminho com o mesmo objetivo. O que ele explicou muito bem em seu discurso na assembléia geral ontem de manhã.

Cordeiros: "Em 100 anos na Série A, apenas 68 times"

Veja o vídeo

Agnelli: ‘Apenas 68 equipes na Série A em 100 anos’

É legítimo esperar que Agnelli se comprometa com um projeto de uma nova estrutura para o futebol europeu

Era para ser uma saudação, tornou-se um manifesto para refletir sobre a necessidade de uma reforma do futebol europeu, sobrecarregado por um problema de governação. Quem celebra o futebol de base, de facto, não se apercebe de como o futebol está a tornar-se cada vez mais fundos de investimento (alguns também soberanos), timeshare e uma rodada do dinheiro que o tornam um setor industrial no setor do entretenimento, não apenas “um jogo”. E se, por um lado, as competições europeias não se reorganizam para melhorar a sua atratividade global e sustentar os investimentos dos clubes, por outro a Premier League continua a devorar dinheiro e, portanto, talentos das ligas da União Europeiamarginalizando-os cada vez mais. As palavras proferidas ontem são a síntese do raciocínio dos últimos cinco anos e uma perspetiva para os próximos cinco, em que é legítimo esperar que Agnelli se empenhe num projeto de nova estruturação do futebol europeu. Mais uma razão para se desligar do conselho de administração da Exor (ficar lá teria um potencial conflito de interesses, considerando que a Exor é o acionista majoritário da Juventus). Agnelli não gosta de conforto, instintivamente atraído por desafios, de preferência complicados. Treze anos atrás, ele assumiu uma Juventus devastada pelo Calciopoli e, acima de tudo, por um cargo degradante do Calciopoli: na primavera de 2010, supor uma rápida ressurreição esportiva do clube era um exercício de otimismo imprudente, mas imaginar nove campeonatos consecutivos foi verdadeiramente lisérgico. Hoje falamos dele com demasiada normalidade, obscurecidos pela miopia que advém da pouca profundidade histórica do nosso miradouro, mas ninguém nega a grandeza do empreendimento desportivo e empresarial construído ao longo destes treze anos. Pensar numa reforma profunda do futebol europeu que expresse um único candidato às eleições à presidência da UEFA é um projeto não menos ambicioso do que o de colocar a Juventus novamente no caminho da vitória. Então ele gosta muito.

Cordeiros: "Obrigado ao Real Madrid e ao Barcelona"

Veja o vídeo

Agnelli: ‘Agradeço ao Real Madrid e ao Barcelona’

Frideswide Uggerii

"Extremo nerd do Twitter. Especialista freelancer em cultura pop. Fã de zumbis. Amante de comida. Fanático por música certificado. Jogador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *