Justiça Youthopia: recursos para uma justiça amiga da criança

Com o objetivo de abordar oportunidades de melhoria do sistema de justiça para garantir o acesso e a participação efetiva dos menores nos processos judiciais que os afetam, foi publicado recentemente o projeto europeu Justice Youthopia – Melhorar a participação de crianças em processos judiciais alguns recursos muito úteistanto para os profissionais do setor como para os menores envolvidos, com o objetivo de revolucionar o sistema judiciário numa perspetiva amiga da criança.
Coordenado pela nossa organização, em colaboração com parceiros La Merced Migraciones (Espanha), Instituto de Apoio à Criança (Portugal) e Salvati Copii (Romênia)o projeto na Itália realizou várias atividades graças à participação ativa de profissionais do setor e menores com experiência do sistema judicial, com o acordo do Tribunal Juvenil de Bari.

escola de inverno

A escola de inverno “Melhorar a participação das crianças em processos judiciais” promoveu troca de experiências em termos de abordagens legislativas e o envolvimento de menores em processos judiciais, através de intercâmbios entre representantes e especialistas de todos os países da parceria e contactos institucionais chave. Entre as vozes ilustres de caráter internacional e nacional, intervieram O deputado. Anna MacinaSubsecretário de Estado da Justiça, Abril Calderex-presidente da Associação Internacional de Juízes e Magistrados de Menores e Família (AIMJF), Joseph MoyersoenJuiz Honorário do Tribunal de Menores de Génova, o advogado Giovanni Carotenuto, Presidente da Pro Bono Itália, Avv. Grazia Cesaro, presidente da União Nacional das Câmaras Juvenis (UNCM) e advogada Francesca Paparoni da Escola Superior de Advocacia.

A troca de experiências entre os quatro países em causa centrou-se nas diferentes abordagens ao envolvimento de menores em processos civis e criminais. Um olhar aprofundado também foi dedicado a menores imigrantes e as grandes dificuldades que encontram quando entram em contato com a justiça.

Entre as principais conclusões, emergiu a importância da formação de profissionais do setor sobre o tema da justiça amiga da criança garantir um conjunto de serviços multidisciplinares e profissionais aos menores envolvidos no processo de justiça, incluindo a apoio psicossocial e a presença de um mediador cultural. Foi também salientada a necessidade de assegurar materiais informativos adaptados às crianças e um estilo de comunicação adequado aos menores. Por justiça amiga da criança que seja acessível, compreensível, justa, capaz de ouvir e construir confiança, Justice Youthopia desenvolveu e divulgou vários materiais para garantir que os melhores interesses da criança sejam colocados no centro de todos os procedimentos legais.
Aqui está a coleção dos escribas da escola de inverno.

A “Carta a um Juiz” e o “Guia dos Pares”

Por meio de processos participativos e de cocriação, os parceiros criaram um kit de ferramentas com materiais e ferramentas amigas da criança para profissionais do sistema de justiça, com o objetivo de melhorar suas habilidades de comunicação e facilitar a troca de informações com menores durante processos judiciais. A carta a um juiz que, para a Itália, recolhe algumas sugestões recolhidas por rapazes e raparigas que eles viveram a experiência de julgamentos legais e que visa sensibilizar os profissionais do setor para comunicar em linguagem compreensível e adaptada aos menores, reconhecer o direito a ser ouvido, garantir espaços e horários adequados, bem como representação qualificadapor uma justiça que coloque o menor no centro.

Através de um workshop organizado no balcão de orientação sócio-jurídica do Projeto Justiça Youthopia ativo na cidade de Bari, também foi produzido um guia peer-to-peer amigo da criança com crianças e adolescentes que tiveram experiência com o sistema de justiça para facilitar a compreensão do sistema judicial na Itália e seus direitos em processos judiciais. Em termos concretos, o guia apresenta os locais, referências profissionais e termos frequentemente utilizados no sistema de justiça e identifica o direito de ser ouvido, informado, protegido, não discriminados e ter uma defesa qualificada.

Finalmente, um vídeo sobre o contacto com a justiça de um grupo de crianças e jovens envolvidos nas atividades promovidas pela nossa Organização em Bari e pelo Instituto de Apoio à Criança e Lisboa. Graças ao vídeo, é possível ouvir seus pontos de vista, suas experiências e suas ideias para melhorar o sistema de justiça.
Materiais adicionais estão disponíveis fabricado pela LLM (Espanha) E IAC (Portugal).

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.