Nichi Vendola: “Democracia em perigo Meloni é inspirado em Orban”

Nichi Vendola estará hoje na Puglia para conversas com Antonio Decaro e Michele Abbaticchio a favor da centro-esquerda. Quais são as apostas dessas políticas?

“Vamos enfrentá-lo de forma clara e direta: a qualidade de nossa democracia está em jogo nestas eleições. A direita pós-fascista de Meloni tem Trump e Orban como referências ideais e políticas. A direita xenófoba de Salvini flertou com Putin e seus intermediários. A soberania ressuscita o espectro maligno do nacionalismo e estrangula o sonho de uma Europa unida. O risco é cair na areia movediça dessa “democracia iliberal” teorizada pelo primeiro-ministro húngaro: que controla brutalmente qualquer contrapeso ao poder político, amordaça e controla a mídia, coloca o judiciário e o Tribunal Constitucional sob proteção e censura política, e em nome do consentimento eleitoral reivindica o direito de abolir direitos, os das mulheres, os das minorias”.

No regional com a intervenção na manifestação em Petruzzelli da CGIL deu o comando a um canhoto que ainda não entrou no jogo Agora o que precisa o campo progressivo para o último sprint ?

“Há um tempo para tudo”, diz o Antigo Testamento. É hora de soar o alarme sobre esse direito que segura o rosário como um clube, que exibe seu caráter reacionário com a polêmica obsessiva contra os rendimentos da cidadania e a proteção fiscal igualmente obsessiva dos mais ricos. Um direito que com autonomia diferenciada pode dar um golpe nas costas do Sul Por último, mas não menos importante, um direito que pode burlar nossa Constituição”.

Falando da CGIL, Landini tem sido criticado pela esquerda por sua postura autonomista sobre a dinâmica eleitoral. O que você acha?

“É a consequência do fato de que o trabalho não está mais no centro do conflito político, que os sindicalistas se secularizaram, por assim dizer; que os sindicatos passaram por uma reviravolta corporativa. E então a centro-esquerda, gravemente doente de governamentalismo, andou dentro dos limites da Ztl da sociedade e não viu, por muito tempo, as periferias sociais, o não trabalho, o trabalho precário, o trabalho cada vez mais pobre. Para além dos perfis ideológicos, a realidade entra na campanha eleitoral entre crise econômica e contas altas”.

Como as famílias e as empresas estão lidando com uma queda muito difícil no portão devido aos custos de energia?

“Há um lugar na Europa onde as contas são reduzidas e onde a energia não é mais uma questão de vida ou morte para a economia. Chama-se Portugal, onde as fontes renováveis ​​(eólica e fotovoltaica) cobrem 85% da produção de energia. Aqui o lobby das fontes fósseis pesa à direita e no centro da política, e a questão energética é encenada com o habitual terrorismo psicológico por aqueles que querem impedir cientificamente uma mudança real, uma conversão necessária por razões ecológicas e econômicas. : de combustíveis fósseis a energia solar e eólica e hidrogênio verde. Mas se Salvini fala de usinas nucleares como se fossem usinas ou fazendas a serem espalhadas pelo belo país, obviamente acompanhadas de incineradores e outras belezas, e se Calenda e Renzi o perseguirem, acho que o efeito final pode ser catastrófico”.

O M5S polariza a campanha eleitoral sobre a renda da cidadania. Não há o risco de reabastecer uma narrativa sobre o sul dependendo apenas da assistência social?

“Aprimorar a ferramenta pode e deve ser feito, mas nunca esqueça que a renda do cidadão é um freio à pobreza absoluta. Obviamente, as redes de proteção social não são uma alternativa às políticas de desenvolvimento necessárias, desde que o Sul não seja assassinado pelo que Gianfranco Viesti chamou de “a secessão dos ricos”.

Meloni no Palazzo Chigi: você teme o risco de uma mudança autoritária?

“Seu modelo é Orban, não De Gasperi. Sua história é a do neofascismo romano. Como não se preocupar? “.

As coalizões não são coerentes em seus programas. Sobre a política externa e a guerra, como conciliam as posições da esquerda italiana com as do Partido Democrata?

“Você está me perguntando quem é um ativista da paz? Lamento que o único discurso público capaz de captar a realidade fatal de uma “terceira guerra mundial quebrada” seja o do Papa Francisco. Eu gostaria de uma centro-esquerda capaz de quebrar o único pensamento de guerra, digamos que eu lute por isso, e vote pela aliança eco-pacifista entre a esquerda italiana e os verdes…”.

Na Puglia, muitos esperam seu retorno ao envolvimento direto na política…

“Enquanto isso, volto à minha terra para dizer aos desapontados e indecisos: não vamos dar esse direito à Itália, não vamos nos machucar”.

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.