revelou o rico programa para a edição de 2022

O festival Sole Luna doc Film torna-se Doc for Future e abre com foco no derretimento de geleiras pelo fotógrafo Fabiano Ventura.

Está tudo pronto para a edição 2022 do Festival de Cinema Sol e Lua. A 17ª edição da revista documental internacional será realizada de 4 a 10 de julho no Palermo, ao complexo monumental do Steri. A revista deste ano será intitulada Documentário para o futuroem homenagem ao chamado do milênio aos líderes da terra por Greta Thunberg e os jovens do movimento Sexta-feira para o futuro: “Como cidadãos de todo o planeta, pedimos urgentemente que resolvam a emergência climática“. Cinquenta documentários programados nas três salas do Festival – Abatelli, Steri, Sala delle Verifiche – criados entre a esplêndida arquitetura do Complexo Steri, sede da Reitoria da Universidade de Palermo, parceira do Festival. Exibições todas as noites, a partir das 21h00. Os filmes em competição também serão transmitidos online na plataforma OpenDdb, ficando visíveis nas próximas 48 horas.

A programação do Festival de Cinema Sole Luna

Documentário para o futuro

Documentário para o futuroescolhido como título pela direção do festival – as diretoras artísticas Chiara Andrich e Andrea Mura, a presidente Lucia Gotti Venturato e a diretora científica Gabriella D’Agostino – é o fio condutor de muitos documentários do programa, tanto em competição quanto fora de competição, do evento de abertura: a apresentação Na trilha das geleiras, um projeto fotográfico e científico de 13 anos, idealizado e criado pelo fotógrafo de renome internacional Fabiano Ventura para documentar e mostrar os efeitos chocantes das mudanças climáticas. Também será possível admirar algumas das fotos tiradas por Ventura oferecidas em projeção em loop todos os dias dentro da Sala de Auditoria Steri das 10h às 18h. Imagens espetaculares que mostram a gravidade do estado de saúde dos nossos coolers um documentário: Na trilha das geleiras. Missão no Cáucaso de Marco Preti (Itália, 2012) que será exibido na noite de abertura do festival. A “jornada” de Ventura aconteceu de 2009 a 2021 com uma equipe de diretores e pesquisadores, através de 8 expedições às maiores geleiras de montanha da Terra: Karakorum (2009), Cáucaso (2011), Alasca (2013), Andes (2016), Himalaia (2018) e Alpi (2019-2020-2021).

Filmes em competição

Festival de Cinema Único Luna Doc;  cinematograph.it
Arica por Lars Edman e William Johansson Kalén

A seleção de 18 filmes em competição, incluindo oito longas-metragens – incluindo uma estreia internacional e três estreias nacionais – oferece obras que contam histórias, projetos e visões com particular atenção à relação entre o homem e a natureza como Arica por Lars Edman e William Johansson Kalén, que leva o título da cidade chilena nos arredores da qual foram enterrados resíduos tóxicos causando doenças e morte prematura da população; ou em A última geração por Mikołaj Borowy, a história de Janka que, quando adolescente, escolhe deixar tudo para trás para se dedicar à proteção do meio ambiente. A natureza saqueada pelo homem e a natureza como lugar de viagem, de travessia para encontrar direitos humanos perdidos como em Alpes de Nael Khleifi, uma história que parte da solidariedade e vai ao encontro da humanidade dos migrantes ou Liberdade Fantasma de Gastón Andrade sobre o fenômeno dos feminicídios no México. Depois, há a busca do equilíbrio necessário entre globalização e desglobalização, crescimento e declínio, para reduzir as desigualdades e encontrar unidade na diversidade. Temas que também percorrem as outras longas-metragens em competição: berçário noturno por Moumouni Sanou (Burkina Faso-França-Alemanha 2021); Raio X de uma família por Firouzeh Khosrovani (Noruega-Irã-Suíça 2020); A bolha por Valerie Blankenbyl (Suíça-Áustria 2021); E A faísca por Valeria Mazzucchi e Antoine Harari (Suíça-França-Itália 2021).

Festival de Cinema Único Luna Doc;  cinematograph.it
A carroça preta de Adilet Karzhev

Os dez curtas – sete dos quais têm estreia nacional – vão da animação à ficção e ao arquivo; e por tema, da vida nos campos de refugiados aos antigos rituais coletivos, da maternidade às condições de trabalho. Em competição: carroça preta por Adilet Karzhoev (Quirguistão 2021); Histórias de virilha por Myleine Guiard-Schmid (França-Bélgica 2021); Cinderela por Felipe Betancur Villegas e Christian Rios (Colômbia2020); mães voadoras por Giulio Tonincelli e Paolo Fossati (Itália 2022); Mamãe por Pablo de la Chica (Espanha 2020); De memória e detritos por Rodrigo Michelangeli (Venezuela-França 2020); Reduzido a cinzas por Nikos Papangelis (Grécia 2020); Timkat por Ico Costa (Portugal 2021); A parede por Mira Sidawi (Líbano 2020); Um robô próprio por Anne Gabrielle Lebrun Harpin (Canadá 2021).

Homenagens a Letizia Battaglia, Vittorio De Seta e Pierpaolo Pasolini

Festival de Cinema Único Luna Doc;  cinematograph.it
minha batalha

Entre os eventos especiais desta edição estão três homenagens a homens e mulheres de cultura que deixaram sua marca: o fotógrafo Letizia Battaglia, Pier Paolo Pasolini dos quais estes anos comemoram o centésimo aniversário de seu nascimento e o diretor Vitório De Seta cujos cem anos se aproximam (ele nasceu em 1923) No programa, projeções e reuniões. Em homenagem a Letizia Battaglia, o Festival oferecerá ao público Minha batalha. Franco Maresco encontra Letizia Battagliao documentário de Franco Maresco feito em 2006 ao qual Battaglia se sentiu particularmente ligado e no qual contou, sem filtros, páginas difíceis de sua própria vida.

A greve dos catadores de lixo

A greve dos catadores de lixo, é antes o documentário inédito de Pier Paolo Pasolini encontrado em 2005: relata a primeira greve dos catadores de lixo em 1970 e deveria ter sido parte de um trabalho coletivo. O filme não foi editado e foi encontrado (sem som) nas estantes dos arquivos do Movimento Operaio Democrático. A reportagem da greve, que será apresentada no dia 7 de julho às 22h30 no Cortile Abatelli, é um projeto audiovisual de Cosimo Terlizzi e Luca Maria Baldini.

De Vittorio De Seta, uma retrospectiva de todos os curtas-metragens realizados entre 1954 e 1959 na Sicília, Calábria e Sardenha, incluindo o marco ilhas de fogo, vencedor de melhor documentário no Festival de Cannes em 55; enquanto em colaboração com Teche Rai, sua obra-prima será exibida Diário de um mestre. Duas mesas redondas também serão dedicadas à originalidade e visual disruptivo de Battaglia e De Seta.

Os filmes fora de competição no Sole Luna Film Festival 2022

Los Zuluagas de Flavia Montini

O programa fora de competição é rico, dividido em diferentes seções: Sguardi Doc Italia, Ambiente Doc e Sicilia Doc. Sguardi Doc Itáliadedicado aos documentários italianos, este ano será colocado sob o signo de realizadoras com 4 filmes de particular interesse artístico e histórico de igual número de realizadoras: Stefania Muresu (PrincesaItália2021), Flávia Montini (Los ZuluagasItália-Colômbia 2021), Federica Di Giacomo (O PalácioItália 2021) e Gaia Ceriana Franchetti (Roda de KhadiItália 2019). Documentação do ambiente oferece 4 filmes que, com diferentes sensibilidades, apresentam a gravidade do estado de saúde dos nossos mares: Nobilis de Ouro Moon da artista Mariagrazia Pontorno (Itália 2021) fala do chamado “Sentinela do Mediterrâneo”, um mexilhão com mais de um metro de altura em perigo de extinção; voz sobre a água por Dana Frankoff (EUA 2021) nos apresenta Wayan, um pescador balinês de noventa anos e seu compromisso diário de voltar à pesca; dentro Habitar o limiar de Vincent Bruno (França, 2021), por outro lado, a coreógrafa Marine Chesnais encena suas performances sobrenaturais debaixo d’água. Fechar seleção missão Eurídice por Marco e Andrea Spinelli, reportagem em vídeo sobre uma missão para recuperar redes abandonadas nas profundezas de Cefalù. Doc Sicília, a seção em colaboração com o Centre Expérimental de la Cinématographie, oferece uma reflexão sobre o Tempo através das obras de alguns recém-formados do curso de direção. Primeiros trabalhos que já ganharam a atenção de júris nacionais e internacionais: Sob o mesmo tempofilme coletivo (Itália, 2021); hora da tartaruga por Costanza La Bruna (Itália, 2021); rua das sombras por Anton Frankovich (Itália, 2021); Fim de agosto por Federico Cammarata e Filippo Foscarini (Itália, 2021) e ele é por Desirée Alagna (Itália 2021).

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.