“Devo tudo à Roma. Mourinho é duro, mas faz-me crescer”

Sobre a infância na Gâmbia
“Na Gâmbia foi diferente, eu estava com os amigos no campo sem sapatos, descalço… Jogamos a maior parte do dia e nos divertimos muito, muito legal. Mas os meninos lá na África arriscam a vida, porque você vai escola, você termina a escola e você não tem emprego. Você joga futebol, ou faz outra coisa, depois de um tempo você para, por que você não continua. Eu fui para a Itália sem contar aos meus pais porque se eles tivessem sabia que não me deixariam ir quando eu era jovem, mas decidi sair em busca de uma vida melhor..

A caminho da Itália
“Saí com a bola porque sempre gostei de tê-la comigo, mas a viagem não durou muito. , agora ele está na Itália, este outro está na Espanha”. Mas não achei tão perigoso, uma vez lá, é impossível voltar.

Em suas iniciativas
“Recentemente criei uma fundação, uma academia com a qual posso ajudar as crianças do meu país a ter um futuro melhor. Vamos tentar disponibilizar tudo para ajudar as crianças a crescer.“.

Sobre Alberto De Rossi. Fonseca e Mourinho
“Ele era como um pai. Ele me ajudou muito no meu crescimento. Cheguei como meia-atacante e depois joguei meio-campo e meia com ele. Fonseca me deu um sonho ao me iniciar. derby quis dizer. Antes disso. da equipa para a equipa principal o treinador aconselhou-me a jogar simples e correu bem. O senhor Mourinho é grande e dá muita motivação, mesmo fora do campo.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.